Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Bicho Grilo

Tu olhas o mundo com olhos de “Lupa”
Os vermes não conseguem esconder
Sua viscosidade, baba hedionda
Teu jeans surrado, impregnado de passado
Onde ficaram nossas mentes e nossas almas,
Pois do mundo de paz e amor
Que tentamos erguer, restaram
Apenas partículas em nossas cabeças
Mas tu vês o mundo com olhos de “Lupa”
Do lado de lá das margens do “Chico”
Que chora e que geme
Pela sina desafortunada dessa gente
Que ele banha e barganha o viver com a natureza.
Os teus olhos de “Lupa”
Vão fotografando toda a paisagem
Para em outras paragens ter o que contar

Este poema foi escrito em homenagem ao amigo Lupeu Lacerda, um bom baiano, um ex-bicho-grilo-gente-boa, que conheci nas minhas andanças pela vida. Distante de todos os amigos que conheci no passado, como me encontro agora, reencontrei Lupeu nas veredas da internet, nos orkuts da vida. Temos mantido contato. Daí a inspiração para o poema.

Comente com o Facebook