partidos

Jucá defende necessidade de candidatura própria do MDB à Presidência da República

Jucá defende necessidade de candidatura própria do MDB à Presidência da República

menos de 1 minuto O senador Romero Jucá (MDB-RR) disse neste domingo (4), depois de participar de um encontro em Brasília, que o partido que ele preside ‘precisa’ ter candidato próprio à Presidência da República no pleito deste ano. Um nome citado por Jucá como possível candidato da sigla ao Palácio do Planalto é o ministro da Economia, Henrique Meirelles. Segundo Jucá, é preciso defender o legado deixado pelo governo Temer, como os resultados positivos que começam a aparecer na economia. Ele diz que Continue lendo

Uma questão de sobrenome (ou não)

Uma questão de sobrenome (ou não)

1 minuto Depois de tanta especulação sobre as jogadas políticas iniciais em torno das eleições municipais de 2008 em Boa Vista (RR) parece que as definições começam a surgir. Muitos acreditavam que o secretário de educação, Luciano Moreira (PSDB), fosse ser o escolhido do governador Ottomar Pinto (PSDB) como candidato a prefeito da Capital roraimense. O site Fontebrasil, por exemplo, tratou logo de montar uma campanha para desacreditar o secretário, usando de todos os expedientes possíveis: de provocações pessoais a denúncias de envolvimento de irregularidades Continue lendo

O espião de Renan

1 minuto  Vem por aí mais um capítulo da novela Renan Calheiros (PMDB-AL). Os senadores goianos Demóstenes Torres, do Democratas, e Marcone Rerilo, do PSDB, disseram hoje que vão protocolar uma ação por quebra de decoro parlamentar contra o senador alagoano, recentemente abosilvido em outro julgamento. Torres e Perilo acusam Renan Calheiros de ter encomendado uma ação de espionagem contra eles. O responsável pela missão seria o assessor especial de Renan, Francisco Escócio, que ganha nada menos que R$ 9.300 reais como servidor do gabinete do Continue lendo

O mandato é dos partidos

menos de 1 minuto O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) bateu o martelo e sustentou a sua decisão, segundo a qual os mandatos eletivos pertencem aos partidos e não aos candidatos. Agora o julgamento do mérito caberá ao Supremo Tribunal Federal (STF). O presidente do TSE deu declarações ao Jornal Nacional afirmando não entender porque o presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia, ainda não convocou os suplentes dos deputados que mudaram de partido depois das eleições. Caso o STF reconheça e mantenha a decisão do TSE Continue lendo