Governadora Suely assinou o decreto na quinta-feira, 1 de agosto

Deu ruim para o governo: MPF recomenda revogação de decreto que visa aumentar controle sobre entrada de imigrantes

O Ministério Público Federal (MPF/RR) expediu recomendação para que a governadora do Estado de Roraima revogue – ou deixe de publicar – o Decreto Estadual nº 25.681-E, de 1º de agosto de 2018, que estabelece atuação especial das forças de segurança pública e demais agentes públicos estaduais em decorrência do fluxo migratório de estrangeiros no Estado.

O MPF/RR recomendou ainda ao secretário estadual de Saúde, ao delegado-geral da Polícia Civil, ao comandante-geral da Polícia Militar e ao diretor-presidente do Departamento Estadual de Trânsito que se abstenham de levar a efeito o referido Decreto, assim como se abstenham de orientar os servidores a si subordinados a adotar as providências nele previstas.

De acordo com os procuradores da República que assinam o documento, a crise migratória pela qual passa Roraima tem se agravado pela falta de políticas públicas e medidas efetivas que ajudem a administrar e minimizar os efeitos da migração.

Entretanto, o Decreto nº 25.681, “para além de não apresentar nenhuma medida que se afigure idônea a remediar os efeitos da crise, pode apresentar-se aos seus agentes públicos executores e à sociedade como um instrumento de marginalização e reforço da xenofobia”, alerta trecho da recomendação.

Descontrole sanitário

Em uma das medidas estabelecidas pelo Governo, passa a se exigir, para acesso aos serviços públicos oferecidos a estrangeiros pelo Estado de Roraima, a necessária apresentação de passaporte válido. O que pode configurar em veto total aos atendimento de venezuelanos, visto que muitos atravessam a fronteira sem documentação.

Ao argumentar contra a ineficácia do Decreto Estadual, o MPF lembra que é contraditório fragilizar a própria segurança epidemiológica brasileira. Já que a imposição de obstáculos à prevenção, diagnósticos e tratamento de estrangeiros pode implicar a proliferação descontrolada de moléstias no território nacional.

Para os procuradores, além de estar longe de resolver o problema, a medida determina ações que invadem a competência da União, prevista na Constituição Federal e na Lei de Migração (Lei nº 13.445/27). “Também padece de vícios insanáveis de inconstitucionalidade, ofendendo a um só tempo, diversos princípios constitucionais, convencionais e legais”, destaca outro trecho da recomendação.

O MPF/RR fixou 24 horas para que os gestores informem acerca do acatamento da recomendação. A ausência de observância às medidas indicadas, impulsionará a instituição a adotar as providências administrativas e ações judiciais cabíveis.

Eventual descumprimento pode ensejar, em tese, entre outros, a caracterização de crimes contra a vida, na forma omissivo-comissiva, ante o dever de cuidado a que se refere o art. 13, § 2º, “a”, do Código Penal, bem como a prática de atos de improbidade administrativa, na forma do art. 11 da Lei nº 8.429, de 1992.

Confira aqui íntegra da recomendação

(Texto da Assessoria de Comunicação do MPF)

Comente com o Facebook

Leave a Reply

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE

Assine nossa Newsletter

Assine nossa Newsletter para receber as últimas notícias e atualizações feitas por nossa equipe!

Sua inscrição foi feita com sucesso!