Governo atrasa repasses de ICMS e deixa prefeitos indignados

Tempo de leitura: 3 minutos

Os prefeitos de municípios do interior, como Caracaraí e Rorainópolis, estão indignados com o governo de Suely Campos (Progressistas) devido ao atraso no repasse das parcelas referente à arrecadação de ICMS.

De acordo com a prefeita Socorro Guerra (PROS), de Caracaraí, o Governo do Estado passa até um mês sem fazer o repasse dos recursos. É obrigatório o repasse para as prefeituras de quatro parcelas por mês referentes aos recursos do ICMS, sendo uma por semana.

A gestora da “Cidade Porto” conversou com o blog neste sábado e se queixou dos atrasos constantes no repasses dos recursos pelo governo.

Na mesma situação está o prefeito Leandro Pereira (PSD), de Rorainópolis, que disse a este blogueiro que a razão dos atrasos no pagamento de servidores comissionados, por exemplo, é decorrente do não repasse pelo governo das parcelas do ICMS.

Quando conversou com o blog, Leandro ainda aguardava o repasse da 3ª parcela do ICMS de março, no valor de R$ 203.122,06. O gestor se disse indignado com a situação e já havia autorizado a procuradoria jurídica do município a judicializar a questão.

“Esse atraso impossibilita o cumprimento de alguns compromissos, como o pagamento dos servidores efetivos e contratados temporários”, disse o gestor. Até o dia 14 de maio os servidores públicos de Rorainópolis tinham recebido o salário referente ao mês de fevereiro.

COMENTÁRIO DO EDITOR

A situação do Governo de Roraima e da governadora Suely Campos vai de mau a pior. Pipocam queixas de atraso e falta de pagamento de todos os lados. Senão vejamos:

  1. Prefeitos de praticamente todos os municípios interioranos se queixam do atraso nos repasses das parcelas de ICMS;
  2. Faz mais de uma semana que prestadores de serviço na área de transporte escolar estão com seus carros parados na Praça do Centro Cívico, cobrando o pagamento dos meses trabalhados;
  3. Servidores da Companhia Energética de Roraima (CERR) paralisaram as atividades na quinta-feira por tempo indeterminado devido ao atraso no pagamento dos salários;
  4. Há pouco mais de uma semana servidores acusaram o governo, na imprensa, de apropriação indébita, pois estão tendo valores de cartões e empréstimos descontados de seus salários, mas o dinheiro não é repassado para as instituições financeira;
  5. Familiares de pacientes internados no Hospital Geral de Roraima relatam a carência absoluta de medicamentos e material de expedientes como luvas, por exemplo. Pessoas conhecidas deste blogueiro relataram ter comprado luvas e remédios para que seus parentes fossem atendidos.

É um verdadeiro turbilhão de problemas e queixas que faz com que a popularidade da governadora Suely Campos despenque mais e mais a cada nova pesquisa feita para consumo interno. Mesmo assim, ela se considera em condições de disputar a reeleição.

Não só isso. Há colaboradores seus, do primeiro escalão, que acreditam, demonstrando um otimismo estratosférico, que Suely está “virando o jogo” e vai chegar na campanha em boas condições de reeleição.

Eu digo o seguinte: se o governo de Suely continuar maltratando os prefeitos interioranos e a população do estado como um todo da forma que vem fazendo até aqui, sua derrota será ainda mais acachapante do que foi a de Chico Rodrigues em 2014.

Quem viver verá.

Comente com o Facebook